A partir do próximo dia 18 de maio, daremos o primeiro passo para a implementação dessa nova estratégia, com a alteração nas regras de bagagem com relação à franquia permitida por passageiro e à cobrança do excesso. Confira abaixo os principais detalhes:

Os novos direitos e deveres dos passageiros no transporte aéreo entram em vigor a partir de hoje. Para passagens aéreas adquiridas até o dia 13/03/2017, mesmo que o voo venha a acontecer em data posterior, valerão as regras estabelecidas no Contrato de Transporte aceito pelo passageiro na data da compra do bilhete.

Quando será necessário atestado médico?

Será exigido atestado médico quando: Não houver certeza do progresso da gravidez ou época do parto; Tiver ocorrido nascimento múltiplo antecipado, ou; Forem esperadas complicações durante o parto. O atestado deve ser emitido dentro dos 7 (sete) dias que antecedem à viagem, informando tanto os dados do voo de ida quanto de retorno.

Quando será exigido o atestado?

Da 25ª semana até o final da 31ª semana de gestação, é obrigatória a apresentação de atestado médico, confirmando que a gestante encontra-se apta para o transporte aéreo. Gestantes a partir da 32ª semana de gestação somente poderão viajar se estiverem acompanhadas pelo médico responsável.

Gestantes - Informações Importantes

O tempo de gestação é considerado na data de embarque e não na data de reserva ou compra da passagem; Não é recomendada viagem nos 7 (sete) dias que antecedem à data prevista para o parto nem nos 7 (sete) dias posteriores ao parto; Bebês recém-nascidos só podem viajar após completar uma semana de vida. Bebês prematuros são considerados caso médico.

Orientações

Solicitamos que as gestantes se apresentem no balcão de check-in da empresa 1 hora antes do horário de partida da aeronave. A partir do momento que se declara estar gestante, a passageira deve preencher e assinar um Termo de Responsabilidade fornecido no ato do check-in, independentemente do período de gestação.

Conheça nesta página os quatro programas das companhias brasileiras – Smiles, Fidelidade, Tudo Azul e Amigo.

O Ministério da Saúde e órgãos internacionais recomendam a vacinação para evitar enfermidades endêmicas e contagiosas que possam ser contraídas pelo viajante ao ingressar em diferentes países e estados brasileiros.

Febre amarela – A vacina contra febre amarela deve ser administrada pelo menos dez dias antes da viagem. É gratuita, tem validade de dez anos pode ser tomada nos postos de vacinação, onde será registrada.

Vários países exigem o Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIVP) para ingresso em seus territórios, assim como os estados brasileiros Acre, Amazonas, Amapá, Distrito Federal, Goiás, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins.

O CIVP pode ser obtido nos postos do Ministério da Saúde, agências da Anvisa ou nos postos de vacinação de aeroportos, portos e fronteiras no ato da imunização.

Para outras informações Disque Saúde 0800 611 997 ou acesse www.cve.saude.sp.gov.br

Para locar e dirigir carros em outros países é necessário ter a Carteira de Habilitação Internacional (PID). Siga as nossas orientações para emitir a sua Permissão Internacional para Dirigir (PID).

Os cuidados em relação as crianças e adolescentes começam na retirada do passaporte, se a viagem for internacional. Todos com menores de 18 anos de idade precisam de autorização expressa dos pais ou dos representantes legais com firma reconhecida em cartório, números de cédulas de identidade e as assinaturas para obter o documento.

Voar com o um pet não é uma tarefa extremamente simples. Porém, atualmente, é algo plenamente viável. Requer um pouco de planejamento, adaptação do animal e o cumprimento de algumas exigências das companhias aéreas.

É importante avaliar as condições do animal antes de decidir leva-lo na viagem e consultar um veterinário. Por mais calmo que seja o seu cão ou seu gato, ou por mais bem acomodado que eles estejam durante a viagem, voar será sempre um fator de estresse. Um sugestão inicial é programar voos diretos e trajetos curtos, na medida do possível. Isso diminui a ansiedade dos bichanos e de seus donos, bem como a chance de desidratação, um dos riscos de saúde que os animais correm durante uma viagem de avião.

Subcategorias